Estamos passando por uma crise que já está prestes a completar dois anos aqui no país.

Para alguns, trata-se da pior crise da história brasileira. E, de fato, entendemos que ela pode ser colocada nesse patamar.

Mas a pergunta que não quer calar é: como chegamos até aqui?

Há uma soma de elementos, tanto do Brasil quanto do mundo, que nos trouxeram até esta crise.

Os mais relevantes são:

  1. Crise financeira iniciada em 2008;
  2. Crise da dívida pública da Zona do Euro, a partir do final de 2009;
  3. A queda da demanda da China por commodities;
  4. O enfraquecimento do mercado interno brasileiro;
  5. Crise fiscal brasileira;
  6. Crise política;
  7. Baixo nível de investimentos e inovação.

Claramente, os três primeiros fatores são fatores externos; os demais, fatores internos.

Apontar esses fatores não esgotam os elementos que explicam o que está acontecendo no país.

Existem ainda outras interpretações e outros elementos. Mas esses parecem secundários perto dos seis pontos citados acima.

Ao longo das próximas semanas, explicarei cada um dos seis pontos acima. Por ora, tentarei dar uma visão geral da crise.

Desde o final da década de 1970, o mundo passou por grandes transformações que o deixaram cada vez mais conectado e interligado.

Dentre essas transformações, podemos destacar as inovações nas telecomunicações e nos transportes, que facilitaram a comunicação e o comércio internacional.

Em seguida, na década de 1980, transformações na condução da política econômica dos Estados nacionais (começando especialmente por Estados Unidos e Inglaterra) colocaram em xeque a intervenção do governo na economia.

Associado a esse movimento, ainda na década de 1980, houve uma intensa liberalização dos fluxos de capitais ao redor do mundo. Em outras palavras, pessoas e empresas passaram a ter maior liberdade para investir em qualquer país.

Esses três grandes eixos (inovações nas telecomunicações e transportes, transformações na condução da política econômica e liberalização dos fluxos de capitais), tiveram papel fundamental para o momento que vivemos hoje.

Basicamente, estas transformações fizeram com que as atividades do setor produtivo fossem concentradas ainda mais na mão de poucas empresas. E, paralelamente, com poucas empresas dominando a esfera produtiva, a busca por lucros na esfera financeira aumentou bruscamente.

Mas aí já é assunto para o próximo post, em que tratarei do primeiro elemento que explica o que está acontecendo hoje no país: a crise financeira iniciada em 2008.

Espero que essa breve introdução ao tema já permita a compreensão do problema. Qualquer dúvida, crítica e sugestão sobre este tema ou outros temas relacionados à economia, entre em contato pelo e-mail franklin@analiseeconomica.com.br ou visite o site www.analiseeconomica.com.br para acompanhar mais sobre economia.