Ministério do Esporte lança programa Futebol para Todos com meta de atender 100 mil pessoas

Programa garantirá condições para os jogadores de futebol amador das categorias mirim até veterano

 Com a missão de atender crianças, jovens e idosos por meio da prática do futebol amador nos diferentes cantos do país, o Ministério do Esporte lançou nesta quinta-feira (25.02), em Brasília, o programa Futebol para Todos. A ação vai garantir estrutura para realização de campeonatos amadores em diferentes municípios brasileiros, além de contribuir com a descoberta de novos craques que moram no interior do país.

O ministro do Esporte, George Hilton, frisou durante a cerimônia de lançamento que o programa vai valorizar as ligas amadoras e inspirar novos jogadores. “O futebol de base, em especial o amador, é mais do que inclusão social. Ele é também o momento de revelação de atletas. A maioria dos atletas que brilham atualmente no exterior e na seleção brasileira, tanto masculina quanto feminina, é oriunda de regiões carentes e que teve nos campos de várzea a oportunidade de ser descoberto”, lembrou George Hilton.

Voltado para municípios com população superior a 20 mil habitantes, o programa Futebol para Todos visa garantir condições mínimas para a prática da modalidade. A primeira fase do projeto atenderá dez municípios, beneficiando cerca de dez mil pessoas. A meta do Futebol para Todos é chegar a 100 mil pessoas.

Hilton acrescentou que ter uma política pública apoiando o futebol na base é uma estratégia para fortalecer a modalidade, para que a paixão nacional continue brilhando pelo mundo. “O poder público precisa ter a sensibilidade para garantir o direito de acesso ao futebol de forma gratuita. A grande maioria das famílias não tem condições de colocar os filhos em escolinha privada de futebol. Temos que preencher essa lacuna”, explicou o ministro.

O investimento nos projetos varia entre R$ 100 mil e R$ 150 mil, com contrapartidas dos municípios. Pelo edital, cada projeto terá o prazo de seis meses de vigência e deverá conter a proposta de realização de um torneio ou campeonato, em que participem a partir de 32 equipes, ficando a cargo de cada entidade a escolha da categoria e disposição das equipes nas competições masculinas e femininas, devendo ter no mínimo oito equipes femininas.