Anderson Silva está de volta ao UFC. Depois de mais de um ano afastado do octógono, sob gritos de “o campeão voltou”, o brasileiro conseguiu uma vitória consistente, por decisão unânime, sem muito show, ao contrário do que estão acostumados os fãs. Nick Diaz utilizou uma estratégia parecida com a de Spider na primeira luta contra Chris Weidman, usou o “feitiço contra o feiticeiro”, abusou das provocações e acabou se dando mal na madrugada deste domingo, na MGM Grand Garden Arena, em Las Vegas, nos Estados Unidos.

 Foto: Josh Hedges/Zuffa LLC / Getty Images

Ao ser anunciado como vencedor por pontos, Anderson desabou no octógono em lágrimas e foi “consolado” por Nick Diaz, que mostrou esportividade ao reconhecer a vitória do brasileiro. “Obrigado, Deus. Obrigado por ter me dado mais uma oportunidade de estar aqui. Esse momento é muito importante para mim, para minha família e para os brasileiros. Queria agradecer todos vocês, todos os brasileiro. Hoje foi muito importante por tudo que sofri nesse último ano, achei até que não voltaria aqui. Também quero agradecer Dana (White) e Lorenzo (Fertitta). Obrigado”, disse Anderson ainda no octógono.

Anderson Silva não conteve a emoção com o triunfo
Foto: Josh Hedges/Zuffa LLC / Getty Images
Nick Diaz começou tomando a iniciativa, andando para frente, e reclamando da postura de Anderson, que recuava. Com menos de um minuto, Nick Diaz chegou a deitar no octógono e encostar nas grades para pedir mais ação do brasileiro. Anderson parecia não se importar e abusava das esquivas para desviar dos golpes do americano. Já no final do primeiro round, Spider segurou a cabeça do rival e desferiu vários golpes certeiros, fazendo explodir a arena.
O segundo round começou como o primeiro, Diaz andando para frente e Anderson sendo cauteloso com seus movimentos. O americano continua pressionando e o brasileiro tentava contra-atacar. Para quem estava curioso sobre os chutes de Anderson, ele mostrou que está tudo bem. Ele desferiu dois chutes baixos e um alto com a esquerda, mas o que castigou Diaz foi um de direita, bem nas costelas do americano.
Sem medo, Anderson Silva acerta Diaz com a perna esquerda, a mesma que fraturou em 2013 Foto: Steve Marcus / Getty Images
Anderson Silva foi superior a Diaz durante toda a luta
Foto: Jeff Bottari/Zuffa LLC / Getty Images
No terceiro assalto, apesar de ter ganho os outros dois, Anderson começou equilibrar no quesito domínio do octógono, andou para frente e conectou bons golpes contra o rosto de Diaz. Na primeira fileira, Jon Jones chegou a levantar de sua cadeira e começou a passar orientações para o brasileiro, o que chamou atenção da torcida presente.
Anderson pressionou mais no quarto round, apesar do ritmo da luta ter dimuído. Sem se expor muito, o brasileiro controlou a distância e aproveitou as poucas chances que teve para conectar bons golpes no americano. Diaz, já demonstrando cansaço, não conseguiu mais alcançar Spider, que levou mais um round para sua conta.

Sem medo, Anderson Silva acerta Diaz com a perna esquerda, a mesma que fraturou em 2013

No quinto e último round, Nick Diaz voltou com as provocações ao brasileiro. Começou a chamar Anderson para cima e até esboçou uma dança na frente do ex-campeão. Anderson, porém, não se abalou. Continuou andando para frente e controlou o combate até o último segundo para se sagrar como vencedor do combate.
Segunda Dana White, chefão do UFC, se Anderson Silva vencesse, ele teria a oportunidade de enfrentar o vencedor de Chris Weidman x Vitor Belfort. Porém, na tarde desta quarta-feira, em Las Vegas, uma notícia pode adiar, ao menos por um tempo, a vontade da organização. O carrasco de Anderson Silva sofreu uma lesão e a luta contra Belfort, que era válida pelo UFC 184, foi cancelada. O UFC ainda não se pronunciou sobre como ficará a disputa de cinturão, e Anderson ganhou mais um “tempinho” para pensar sobre seu futuro.